Confeitaria Colombo – evolução da mulher

Ontem foi comemorado o tal dia internacional da mulher. No ambiente politicamente correto que vivemos hoje tivemos, claro, diversas lacrações com os mesmo chavões e jargões de sempre. Pudesse resumir em apenas um a média seria “a mulher precisa ser valorizada” (sim, a gente sempre ameniza).

Curiosamente o Barecon nessa semana esteve na tradicionalíssima Confeitaria Colombo localizada a Rua Gonçalves Dias, coração do centro da cidade do Rio de Janeiro. Fundada no final do século XIX, a Confeitaria Colombo se tornou o local comum das grandes personalidades do início do século XX, como Rui Barbosa, Villa-Lobos, Getúlio Vargas, entre outros, e também das pessoas que moravam perto ou frequentavam o centro da cidade, seja a trabalho, de passagem ou por outro motivo qualquer.

Logo na entrada da Confeitaria estão expostas algumas fotos, atuais e antigas, e diversos objetos e utensílios que contam um pouco da história do local. O que mais nos chamou a atenção foram as antigas imagens que registram o momento da sociedade à época. Essa logo abaixo é uma foto da primeira metade do século passado e mostra que o ambiente era predominantemente masculino.

Primeira metade do século XX

A verdade é que nos idos dos anos 1930, 1940, 1950… era muito estranho mulheres frequentarem determinados ambientes. Geralmente apenas se acompanhadas do marido. A cultura da época era assim. Mas o tempo passa e os ajustes acontecem. A própria sociedade se moderniza com o desenvolvimento do país. Novas ideias chegam e as mudanças ocorrem.

Hoje a Confeitaria Colombo é um local frequentado por homens e mulheres. Não existe nenhuma restrição nem algum tipo de “estranhamento”. E tal evolução se deu sem nenhuma revolução armada, sem guerras e sem mortes. O mercado (que nada mais é que a própria sociedade) demandou.

Enquanto dos anos 1920 pra cá os homens apenas evoluíram na não mais necessidade de uso do chapéu, as mulheres evoluíram numa escala muito superior além do traje. Elas sequer frequentavam. Hoje estão presentes, inclusive vestidas como bem entender, o que apoiamos.

É preciso que se diga a verdade sobre a sociedade, não só brasileira como no mundo todo (pelo menos nos países que seguem a cultura ocidental): o salto feminino foi muito maior que a evolução dos homens. Hoje não há mais diferenças quanto à isso, o que é sempre muito salutar.

Confeitaria Colombo hoje

Anúncios

Correlação Liberdade Econômica x IDH

Não existe a disputa Capitalismo x Socialismo. Capitalismo é mercado. Socialismo é sistema político. Essa discussão é puramente para fomentar agendas políticas que não agregam muita coisa no mundo prático. O embate a ser feito é entre Países Mais Capitalistas x Países Menos Capitalistas, considerando que todos possuem um nível de mercado onde trocas são realizadas. Mesmo que tal nível seja zero (quando um país é totalmente fechado).

Para apurar os países “mais capitalistas” vamos elencar aqueles que possuem mais características do sistema. O Índice de Liberdade Econômica (Index of Economic Freedom, em inglês) já resume tais características ao considerar em seu cálculo o(a):

  • Estado de Direito – Direitos de Propriedade, Integridade de Governo, Eficiência Judicial
  • Tamanho do governo – Gastos do Governo, Carga Tributária, Saúde Fiscal
  • Eficiência Regulatória – Liberdade Comercial, Liberdade de Trabalho, Liberdade Monetária
  • Mercados Abertos – Liberdade de Comércio Exterior, Liberdade de Investimento, Liberdade Financeira

Logo, os países que, por exemplo, possuem mais eficiência da justiça, menos impostos, menos regulações, maior facilidade para o fluxo de capital, comercializa mais com outros países, entre outros, estará melhor classificado no ranking de liberdade econômica.

Mas é preciso contrapor tal nível de liberdade econômica geral com o bem estar da população daquele determinado país. Para mensurar tal parâmetro usaremos o Índice de Desenvolvimento Humano – IDH, (Human Development Index – HDI, em inglês) que traz em seu cálculo:

  • Expectativa de vida – Reflete as condições de saúde e de salubridade
  • Anos Médios de Estudo e Anos Esperados de Escolaridade – Taxas de escolaridade
  • PIB per capita – Renda e qualidade de vida

Então, um país onde a população tem uma vida mais longa e saudável, mais conhecimento, mais anos de estudo e um padrão de vida decente está melhor rakeado no IDH.

Portanto, de posse dos dados, o BARECON plotou em um gráfico de dispersão os 170 países listados em ambos índices para conferir a relação existente (ou não existente) entre eles. Dados de 2015

Fonte: Wikipedia. Elaboração: Barecon

CORREL (Index Freedom, HDI) = 0,65, logo, existe uma correlação positiva entre as variáveis analisadas. A posição ascendente da reta ajustada no gráfico ilustra a relação positiva. Então, não há como contrapor que um nível maior de liberdade econômica leva à uma maior qualidade de vida (maior IDH) da população e maior bem estar de determinada nação. Países africanos e subdesenvolvidos sempre na rabeira e países desenvolvidos em situação superior aos demais.

Mas ainda podemos analisar a dispersão encontrada.

Vamos supor que a reta estimada seja uma linha de equilíbrio.

Nesse caso, observamos que os melhores países hoje tem mais foco na liberdade econômica. Caso o ideal fosse estar na linha, eles teriam de melhorar o IDH deles. O ajuste se daria andando para a direita no gráfico.

Mas supondo que a linha é o primeiro local a ir e que esses países tem a liberdade econômica maior (e assumindo que a liberdade econômica quem promove o IDH e não o contrário), vemos que Brasil, Venezuela e Cuba estariam em momento em que precisariam se aproximar da reta melhorando seu Index Freedom. A distância da reta mostra que há potencial para isso.

Não parece provável que um ponto fuja demais do gráfico. Não parece que Cuba e Venezuela conseguirão mais subir no gráfico distanciando-se tanto da reta de estimada. Caso Cuba e Venezuela não trabalhem em seus índices de liberdade econômica visando melhorá-los e aproximá-los da reta por aí, seus pontos irão ao encontro dela, mas deslocando-se para a esquerda que seria o único meio possível. O equilíbrio de Cuba e Venezuela no futuro seria, então, cair mais seu ranking IDH. O Brasil pelo gráfico ainda está no meio do caminho. Ele pode nessa variável possível de modificar seguir o caminho Cuba e Venezuela indo para “cima” e depois para a “Direita” no gráfico ou pode aproveitar ainda o espaço que tem para descer e se encaminhar para o eixo.

“Polêmica” no filme sobre o Plano Real

A polêmica que não existe mas que criam assim mesmo deixa evidente o status quo esquerdista BRAZA. Os sete cineastas pernambucanos são adeptos do lulopetismo e, como tais, são totalmente intolerantes quando se deparam com uma visão contrária daquilo que pregam. O que nem é o caso aqui pois o filme parece apenas tratar de um período histórico conhecido por quem viveu e/ou estudou a época que a trama retrata.

Sem ao menos assistir o filme, os cineastas já o “acusam” de ser “de direita”. Os caras continuam em 1964, continuam usando o termo “de direita” como se fosse um xingamento e continuam querendo fazer um link de “direita” com “Ditadura”, enquanto pregam a revolução com luta de classes, pegando em armas em prol da causa.

Na matéria linkada, o diretor se colocou como isento. Disse que tentou mostrar os “dois lados”. Sei lá que dois lados seriam esses dado que é a elaboração de um plano para conter a hiper inflação que destruiu uma década do país. O “outro lado” só se for a incrível resistência do PT e auxiliares à época. Os caras faziam a pior oposição que possa existir, com o intuito apenas de destruir sem sugerir nada que preste (algo semelhante com o que tentam hoje). Caso o diretor mostre bem esse lado, vou até voltar na matéria pra saber o nome dele.

O ator que faz o papel principal ainda se curva à agenda do politicamente correto e diz que pensa o oposto do personagem que interpreta (Gustavo Franco), mas manda que se interessou pelo “lado artístico”. Conversa. Ele está apenas a justificar seu trabalho. Talvez tenha uma certa vergonha de ter feito o personagem, tal como Wagner Moura com Capitão Nascimento, mas na hora de usar um Iphone, nenhum socialista sente remorso.

De qualquer forma fica a dica: dia 25/05/2017 (quinta da semana que vem) estreia o filme. Eu vou assistir.

CAVEIRA

Fim da era PT – o ato final

Triste demais o discurso da ex-presidente Dilma agora pela manhã quando do recebimento de sua demissão do cargo.

Ela continua insistindo que não cometeu crime algum. Dilma apenas desviou dezenas de bilhões de reais de forma marginal – à margem da lei – para gastar em sua reeleição. O PT se utilizou de manobras, empréstimos compulsórios de bancos estatais, contabilidade criativa, maquiou os balanços para esconder a realidade. Dilma assinou decretos para créditos suplementares sem a autorização do Congresso, como determina a lei. O TCU identificou todas essas fraudes e reprovou tais contas por unanimidade. Dilma cometeu crime fiscal. E por isso sofreu impeachment. Há outros crimes ainda não abordados. A começar pelos desvios na Petrobras quando era presidente do Conselho da Companhia e interferência em outras Estatais.

CRIME FISCAL

CRIME FISCAL

Dilma mente compulsivamente. E não parou com as mentiras já evidenciadas à exaustão na última campanha (estelionato eleitoral). Dilma continua mentindo. Mesmo em seu último pronunciamento como chefe de Estado. A retórica dessa narrativa do “golpe” já foi desenhada pelo Demétrio Magnoli no debate da TVFolha. Veja aqui nesse link. Magnoli diz que a fábula do golpe foi criada para dizer que o PT não falhou e unir a esquerda no pós impeachment. Simples e brilhante.

O PT e toda a extrema esquerda (os auxiliares PCdoB, REDE, PSOL, PDT e etc) mentem vergonhosamente com relação à suposta democracia que defendem. Dilma nunca defendeu nenhum sistema democrático. Dilma lutou contra a ditadura militar no Brasil para impor uma ditadura militar do proletariado. Dilma e seus companheiros da VAR-Palmares planejavam e executavam atos terroristas. Escutem o que dizem os antigos companheiros de Dilma hoje, Gabeira e Eduardo Jorge. Vejam, hoje, em quem Dilma e a extrema esquerda se inspiram e apoiam: Fidel, Chavés, Maduro, Kirchners, Evo Morales. A “Democracia” que Dilma tanto preza é a cubana. Esse é seu DNA.

O projeto bolivariano de poder do PT ficou claro já em 2005 quando estourou o caso do Mensalão, onde o dinheiro público era usado para comprar votos dos parlamentares. Compra do Congresso para aprovar suas leis privadas. Mas a descoberta desse golpe Lula conseguiu contornar e o PT permaneceu por ainda mais de 10 anos no poder, onde pode aprofundar o golpe.

Os apelos vão se intensificar. O PT vai se vitimizar assim como Dilma fez hoje no discurso se dizendo perseguida por ser mulher. Insiste que uma suposta elite quer dar o “golpe” pois não ganhou nas urnas. Banalidade demais. A elite hoje, empreiteiros, grandes empresários, banqueiros… quando não estão presos estão ao lado do PT. Essa quadrilha estava no poder central da nação em prol do projeto autoritário sugando e saqueando o país todos os dias. O resultado é o colapso na economia com recessão inédita no país, taxa de desemprego batendo recordes, empresas fechando aos montes e o fantasma da inflação voltando. Dilma foi a pior presidente da história dessa República.

Ficou excelente para a Dilma e o PT serem obrigados a deixar o poder via impedimento constitucional. Eles vão sustentar essa falsa narrativa do “golpe” e poderão bradar quaisquer balelas. Como, aliás, sempre fizeram. Tivessem perdido as eleições (considerando o pleito de 2014 sem fraude nas urnas eletrônicas) eles teriam que reconhecer o novo governo e fazer uma transição civilizada. Isso pegaria mal para o revolucionário PT.

O comunismo falhou miseravelmente em todos os países nos quais houve a tentativa de implantá-lo. Varia de acordo com a época, o tamanho do país, sua economia e nível de instrução de sua população. Mas as políticas populistas e segregacionistas desse sistema não se sustentam por muito tempo. Não seria diferente no Brasil.

Tchau, querida.

Ranking de Educação

Selecionamos a colocação de alguns países no ranking de educação em determinados anos. Os números indicam a posição do país naquele ano no ranking de 187 nações.  Segue a tabela abaixo com o resumo do trabalho.

ranking educação

Fonte: Wikipedia. Elaboração: Barecon

Algumas observações:

  • Países nórdicos e EUA tem um sistema eficiente de educação
  • Recuperação alemã
  • Migração para Israel
  • Coréia do Sul (alto investimento) e Japão (estagnado) trocaram de posições
  • Os Kirchners não destruíram a Argentina
  • Chile teve uma piora mas voltou a melhorar
  • De 2010 a 2013 foi onde verificou-se a maior variação com Cuba perdendo 19 posições
  • Arábia e Coréia foram os únicos que sempre melhoraram
  • Brasil, a pátria educadora, é pífio
  • China não investiu nada do seu robusto crescimento em educação

No período total pesquisado 1980-2013 os maiores saltos foram da Arábia, Coréia e Alemanha com ganhos de 38, 16 e 14 posições respectivamente. E as maiores quedas foram da China, Cuba e Japão, com perda de 30, 25 e 17.

Os dados foram coletados nesse link: https://en.wikipedia.org/wiki/Education_Index

Igualdade de Oportunidades

Começa errado quando o professor doutrina a cabeça do ainda inocente aluno fazendo-o acreditar ser vítima de um sistema injusto. O sistema pode ser uma merda, ok, mas por que uns se dão melhor que outros? Adam Smith tentou desvendar isso em sua obra “A Riqueza das Nações” e o esquerdinha que sempre manda você ir estudar acha que tal obra é sobre a “mão invisível”.

Qualquer um dotado de cabeça, tronco, membros e qualquer nível normal de sanidade é capaz de prosperar no sistema “injusto”, que prefiro chamar de desigual. Igualdade plena nunca teremos. A história mostra isso. Os anseios, objetivos e vontades de cada um são diferentes. Quem entende isso já está a frente de quem quer aquele atestado de coitado para se eximir de responsabilidades.

Falam em “oportunidade para todos” como se todos quisessem oportunidades. Já concedi diversas oportunidades para várias pessoas ao longo de 20 anos. A maioria pegava e tentava seguir. Mas sempre tinham aqueles que não queriam. Não adianta tentar impor. Isso não dá certo. Nunca.

Pesquisa de palestras

A “alma mais honesta deste país” disse que operou diversos milagres no Brasil e que justamente por isso é o palestrante mais bem pago do mundo. Disse que fez mais que Bill Gates. Logo ganhou muito dinheiro com suas palestras (em sua maioria pagas por empreiteiras envolvidas nos escândalos do Petrolão que a Lava Jato está desvendando).

Sendo assim o Barecon queria publicar alguma dessas centenas de palestras que o “jararaca” proferiu. Não achamos nenhuma utilizando as ferramentas de busca na internet. O Youtube, canal mais propício à essa atividade onde qualquer pessoa faz uma conta e posta seus vídeos, trouxe os seguintes resultados:

Primeiros resultados da busca

Primeiros resultados da busca

Já que a mão estava na massa trocamos o último verbete da pesquisa e, aí sim, encontramos algo. Mas não vamos publicar não. Fica como registro.

Algum conteúdo

Algum conteúdo

Pauta Homofóbica

Saiu na coluna do Ancelmo Gois

Lavínia Vlasak, Marina Ruy Barbosa, Fernanda Motta e Juliana Paes fizeram este autorretrato nas gravações de “Totalmente demais”. Aliás, o elenco da novela entrou na campanha contra a homofobia, veja abaixo. No capítulo de amanhã, Max (Pablo Sanábio), que é gay, será espancado na saída de uma boate. Atores e atrizes publicarão em suas redes sociais fotos de apoio à campanha, na hora da novela. Eu apoio

A novela vai colocar um personagem gay apanhando na saída de uma boate em sua trama. Aí os atores da novela farão uma campanha contra a homofobia na “vida real”.

Porra! Os caras criam a situação para poder estabelecer suas pautas goela abaixo. Antes essas convenções eram mais camufladas. Hoje fazem escancaradamente na sua cara.

Não. Contra os maiores casos de corrupção da história do país não terá nenhuma campanha.

Faz campanha mas não rola nem um beijinho

Faz campanha mas não rola nem um beijinho

Nazismo e Socialismo

Leiam os 25 pontos do Partido Nazista (ou Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães, como é o nome oficial)

https://pt.wikisource.org/wiki/Programa_do_Partido_Nazista

Traduzido do National Socialist Yearbook 1941

Publicado por: Casa de Publicação Central do Partido Nazista, Franz Eher e Sucessores, Munique

Os 25 pontos do Programa do Partido Nazista (Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães – NSDAP) adotado em fevereiro de 1920:

1. Exigimos a unificação de todos os alemães na Grande Alemanha com base no direito de auto-determinação dos povos.

2. Exigimos igualdade de direitos para o povo alemão em relação às outras nações; revogação dos tratados de paz de Versalhes e St. Germain.

3. Exigimos terra e território (colônias) para o sustento do nosso povo, e colonização para a nossa população excedente.

4. Apenas um membro da raça pode ser um cidadão. Um membro da raça só pode ser aquele que é de sangue alemão, sem consideração de credo. Consequentemente nenhum judeu pode ser um membro da raça.

5. Quem não tem a cidadania mas é capaz de viver na Alemanha apenas como convidado, e deve estar sob a autoridade de uma legislação para estrangeiros.

6. O direito de determinar as questões relativas a administração e direito pertence apenas ao cidadão. Por isso exigimos que todos os cargos públicos, de qualquer tipo que seja, se no Reich, condado ou município, deve ser preenchido apenas pelos cidadãos. Nós combater a economia parlamentar corruptora, apenas de acordo com as inclinações partidárias, sem consideração de caráter ou capacidade de retenção de escritório.

7. Exigimos que o Estado cobre primeiro com proporcionando e a oportunidade para a subsistência e o modo de vida para os cidadãos. Se é impossível sustentar a população total do Estado, os membros de nações estrangeiras (não-cidadãos) devem ser expulsos do Reich.

8. Tanto a imigração de não cidadãos devem ser prevenidos. Exigimos que todos os não-alemães, que imigraram para a Alemanha desde 2 de agosto de 1914, sejam forçados a deixar imediatamente o Reich.

9. Todos os cidadãos devem ter igualdade de direitos e obrigações.

10. A primeira obrigação de cada cidadão deve ser trabalhar tanto tanto em sentido espiritual e físico. A atividade dos indivíduos não é para neutralizar os interesses da universalidade, mas deve ter seu resultado no contexto do todo para o benefício de todos.

Consequentemente, exigimos:

11. A abolição de rendimentos não adquiridos (trabalho e emprego). Quebra da escravatura do aluguel.

12. Tendo em consideração o sacrifício monstruoso na propriedade e sangue que cada guerra as necessidades do povo para enriquecimento pessoal através de uma guerra deve ser designado como um crime contra o povo. Por isso exigimos o confisco total de todos os lucros de guerra.

13. Exigimos a nacionalização de todas as indústrias associadas (trusts).

14. Exigimos uma divisão dos lucros de todas as indústrias.

15. Exigimos uma expansão em larga escala do bem-estar na velhice.

16. Exigimos a criação de uma classe média saudável e a sua conservação, comunalização imediata dos grandes depósitos e serem alugados a baixo custo para as pequenas empresas, a máxima consideração de todas as pequenas empresas em contratos com o Estado, condado ou município.

17. Exigimos uma reforma agrária adequada às nossas necessidades, a prestação de uma lei para a desapropriação de terras livres para fins de utilidade pública, a abolição dos impostos sobre a terra e a prevenção da todas as especulações de terra.

18. Exigimos luta sem consideração contra aqueles cuja atividade é prejudicial para o interesse geral. Criminosos nacionais comuns, usurários, Schieber e assim por diante devem ser punidos com a morte, sem consideração de confissão ou raça.

19. Exigimos a substituição de uma lei comum alemã no lugar do Direito Romano que serve a uma ordem mundial materialista.

20. O estado é o ser responsável por uma reconstrução fundamental de todo o nosso programa de educação nacional, para permitir que todos os capazes e industriosos alemães para obter o ensino superior e, posteriormente, introdução em posições de liderança. Os planos de ensino de todas as instituições de ensino estão em conformidade com as experiências da vida prática. A compreensão do conceito de Estado deve ser buscado pela escola [Staatsbuergerkunde], logo no início do conhecimento. Exigimos a educação às custas do Estado de crianças proeminentes intelectualmente dotadas de pais pobres, sem consideração de posição ou profissão.

21. O Estado é para cuidar da saúde dos idosos, protegendo a mãe e filho, proibindo o trabalho infantil, encorajamento a aptidão física, por meio do estabelecimento de uma obrigação legal de ginástica e desporto, o maior apoio de todas as organizações preocupadas com a instrução física dos jovens.

22. Exigimos a abolição das tropas mercenárias e a formação de um exército nacional.

23. Exigimos oposição legal as mentiras conhecidas e da sua promulgação através da imprensa. A fim de permitir a prestação de uma imprensa alemã, exigimos que: a. Todos os escritores e funcionários dos jornais em língua alemã sejam membros da raça: b. Jornais não-alemães sejam sujeitos à obrigação de autorização expressa do Estado para ser publicado. Que eles não podem ser impressos em língua alemã: c. Não-alemães são proibidos por lei de qualquer interesse financeiro em publicações alemãs, ou qualquer influência sobre eles, e como a punição para violações é de fechamento de tal publicação, bem como a expulsão imediata do Reich em causa de não-alemão. Publicações que são contra o bem geral devem ser proibidos. Exigimos processo legal dos formulários artísticos e literários que exercem uma influência destrutiva sobre a nossa vida nacional, bem como o encerramento de organizações que se opõem às exigências feitas acima.

24. Exigimos a liberdade de religião para todas as denominações religiosas dentro do Estado, desde que não ponham em perigo a sua existência ou se opor aos sentidos morais da raça germânica. O Partido, como tal, defende o ponto de vista de um cristianismo positivo, sem se ligar confessionalmente a qualquer denominação. Combater o espírito judaico-materialista dentro e ao redor de nós, e estar convencido de que uma recuperação duradoura de nossa nação só pode ter sucesso a partir de dentro sobre o enquadramento: de utilidade comum precede a utilidade individual.

25. Para a execução de tudo isto, exigimos a formação de um poder central forte no Reich. Autoridade ilimitada no parlamento central sobre todo o Reich e as suas organizações em geral. A formação de câmaras estaduais e profissionais para a execução das leis feitas pelo Reich dentro dos vários estados da confederação. Os líderes do Partido prometem, se necessário com o sacrifício de suas próprias vidas, para apoiar através da execução dos pontos enunciados, sem consideração.

Agora o resumo de cada ponto pelo Barecon

1, 2, 3: “Igualdade”; terras para todos
4, 5: Xenofobia; Antissemitismo
6: Concentração Poder Político
7, 8, 15: Estado provedor; Xenofobia
9, 10: Coletivismo
11 a 14: Fim Propriedade Privada; tomada dos meios de produção
16: Subserviência empresarial
17: Reforma Agrária para o Partido
18: Controle do Judiciário
19: Controle do Legislativo
20, 21: Doutrinação ideológica; Aplicação de Gramsci; Estado provedor; Socialismo

22: Militarismo
23: Censura
24, 25: Comunismo

Restou alguma dúvida?

Jornal GGN a serviço do PT

O GGN se intitula como “O Jornal de todos os Brasis”. Bom, acabei de conhecê-lo através de uma coluna que leva o nome Luis Nassif. Nassif publicou um texto do “Diogo Costa” no qual o mesmo explana que o patamar dos juros reais no Brasil é o menor no governo Dilma.

Leiam o texto e depois voltem aqui: Crédito, recessão e a evolução das taxas de juros no Brasil

A pergunta que vem a mente é clara: e aí?

O autor usou média simples de apenas uma variável para comparar períodos distintos sem considerar os respectivos diferentes cenários. Analisar Taxa de Juros Real com inflação de 900% é uma coisa. Já com inflação de 10% é (só um pouquinho) diferente.

Ainda, essa política da presidanta de baixar na marra os juros nominais (SELIC em 7,25% ao longo de 2013) foi uma das causas da crise que vivemos hoje. E PIOR, não aprendeu. Acabou de fazer o mesmo agora e interferiu no BC diretamente na última reunião.

O resto do texto é pura defesa partidária com os mesmos bordões que já conhecemos. Está lá que a culpa é da “crise internacional”, chama o impeachment de “golpe de estado” e fica forçando repetindo os mesmos dados para encher linguiça.

Não basta aturar e pagar pelo governo mais ineficiente e corrupto da história do país. A população BRAZA ainda tem que aguentar a mídia vendida que mente e usa de desonestidade o tempo todo. Não é mole não.

Nada mais Estatal

Nada mais Estatal